Entidades da rede hospitalar privada apresentam pautas urgentes do setor ao ministro Marcelo Queiroga

De jaqueline

Reunião aconteceu nesta quinta-feira, 22, no Ministério da Saúde, e contou com a presença de representantes da FBH, CMB, ANAHP, CNSaúde e Abramed

Representantes das principais entidades da rede hospitalar privada estiveram reunidos, em audiência, nesta quinta-feira, 22, com o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, para apresentar pautas do setor que requerem uma atenção especial do Governo Federal. O presidente da Federação Brasileira de Hospitais (FBH), Adelvânio Francisco Morato, aproveitou a oportunidade para reiterar a importância do Projeto de Lei (PL) 5.413/2019, de autoria do deputado Pedro Westphalen (PP/RS), que cria o Programa de Recuperação e Fortalecimento dos Estabelecimentos Hospitalares de Saúde (Profes).

“Esse Projeto é muito importante para o setor, pois possibilita que milhares de estabelecimentos que estão em grave situação de crise financeira possam quitar 90% de suas dívidas tributarias por meio de serviços de saúde prestados à população pelo SUS”, explica Morato.

De acordo com ele, além de ampliar a possibilidade de acesso da população aos atendimentos de que precisam, a aprovação dessa proposta vai socorrer hospitais que vêm sofrendo com o impacto severo de altas taxas tributárias; além da falta de políticas que possibilitem sobrevida a esses estabelecimentos, sobretudo neste momento difícil de pandemia, quando muitos deles tiveram que suspender cirurgias e procedimentos eletivos”.

O encontro, aguardado com bastante expectativa pelas entidades do setor, também abordou temas como a escassez de medicamentos para o tratamento da covid-19; a alta abusiva de preços de insumos no mercado; e a formação continuada dos profissionais de saúde.

“Avalio como muito positiva a audiência. O ministro Marcelo Queiroga, além de profundo conhecedor da Pasta, mostrou-se também uma pessoa muito generosa e atenciosa às pautas apresentadas pelas entidades representativas do setor. Ele tem conhecimento das dificuldades enfrentadas pela rede hospitalar brasileira e se colocou à disposição para ajudar”, disse Morato.

Por Assessoria/FBH

Veja também