Lei da telessaúde completa 30 dias e impulsiona desenvolvimento do setor no país

De jaqueline

Referência nacional em saúde digital, a healthtech TopMed aponta benefícios que a nova legislação trará na relação com a saúde.

A lei nº 14.510 de 2022 que autoriza a telemedicina no Brasil, sancionada pelo governo federal em 27 de dezembro, completa seu primeiro mês nesta quinta-feira e impulsiona a uma nova fase empresas de tecnologia dedicadas ao desenvolvimento de soluções na área da saúde. Entre outras diretrizes elencadas pelo texto, estão as garantias de autonomia de escolha e segurança de pacientes e profissionais da saúde.

Segundo Renata Zobaran, médica e Diretora de Telemedicina e Saúde Digital da TopMed, empresa catarinense pioneira em telemedicina e saúde digital no país, as healthtechs vêm crescendo de forma exponencial, impactando inclusive o   comportamento da população brasileira em termos de saúde. “Muito em breve, devem significar para o setor o mesmo que as fintechs representaram para o sistema financeiro, movimentando a economia e impulsionando a busca incessante pela inovação”, projeta Zobaran.

Com 16 anos de operação, a TopMed, sediada em Florianópolis, é considerada a maior do setor na região Sul e figura entre os cinco principais players brasileiros do seu mercado. A organização detém ainda o posto de ser a maior referência em telemedicina e telessaúde voltadas à área pública do Brasil. Esse feito também foi conquistado devido à criação e desenvolvimento da tecnologia implantada no Alô Saúde Floripa, utilizado pela prefeitura da capital catarinense a partir de 2020.

Desde aquele momento, o serviço oferece orientação, atendimento pré-clínico e informação em saúde por telefone, videochamada ou chat. Conta com uma equipe de enfermeiros e técnicos de enfermagem que estão disponíveis durante as 24 horas de todos os dias da semana.

“A importância da TopMed vai além da telemedicina. Atuamos de forma abrangente no segmento de saúde digital, com diferentes profissionais da área, levando assistência remota em saúde e associando muita tecnologia e inovação, com atendimento humano qualificado”, afirma Zobaran.

Até a recente aprovação da prática, a telemedicina era regulamentada pela lei nº 13.989 de 2020 de forma temporária, mas “não impediu que empresas como a TopMed investissem no desenvolvimento de soluções, prevendo que o Brasil acompanharia uma tendência internacional de democratização da promoção da saúde”, destaca a médica, que também sublinha o fato de a TopMed ter um DNA digital e ser pioneira no Brasil em telessaúde e telemedicina.

Zobaran lista alguns fenômenos que serão potencializados a partir de agora, já que estão healthtechs ampliando investimentos e direcionando interesses em transformações da relação das pessoas com a saúde e o bem-estar.

Prevenção: uma realidade bastante comum nos serviços de saúde pública de países desenvolvidos começará a ganhar cada vez mais atenção no Brasil devido ao fato do acesso à profissionais da saúde ser muito mais fácil.

Novas fontes de informação de saúde: esta é uma tendência apontada em diversos estudos, contudo, o ranking de buscas do Google já nos dá essa pista. Durante a pandemia, buscas de como se proteger e sintomas da Covid-19 explodiram, assim como a procura por como se exercitar em casa. As pessoas começam a enxergar sua saúde de uma forma mais abrangente e não limitada à consulta.

Saúde no estilo de vida: as pessoas passarão a priorizar em seus cotidianos comportamentos mais saudáveis, desde cuidados com a alimentação, como a preferência por alimentos orgânicos, até atitudes mais sustentáveis e ecológicas. Além, de outras rotinas de autocuidado com as terapias alternativas, como meditação e atenção à saúde mental e espiritual.

Inteligência artificial, big data e conectividade: o destaque dado às pesquisas científicas, como aconteceu durante a pandemia, em busca de vacinas e medicações, mostraram como a inteligência artificial e o processamento de grande quantidade de dados são essenciais à saúde. Também figuram no rol da alta tecnologia empregada pela saúde digital, wearables e IoTs (internet das coisas), cada vez mais aprimorados, além de equipamentos ou dispositivos que permitem a realização de exames em casa e facilitam o monitoramento de profissionais da saúde a distância.

Normatização ética será responsabilidade dos conselhos federais de fiscalização

De acordo com a nova lei, compete aos conselhos federais de fiscalização do exercício profissional a normatização ética, levando em consideração manter os padrões já adotados no atendimento presencial. Por exemplo, no caso da medicina, o Conselho Federal de Medicina (CFM) já regulamenta a prática desde maio de 2022, reconhecendo a importância dos teleatendimentos para, entre outros, promover a democratização do acesso à saúde e a redução das filas de espera no Sistema Único de Saúde (SUS), com segurança, privacidade e integridade dos dados dos pacientes.

A diretora da TopMed pondera que o legado da pandemia evidenciou os benefícios da utilização desse serviço, como a consolidação de uma cultura que inclui, além de pacientes, profissionais da saúde, iniciativas pública e privada.

Essa cultura está embasada na compreensão de que a telessaúde representa não só o espírito do nosso tempo, mas a redução de gargalos tanto na atenção primária quanto em consultas com especialistas, diminuindo, por exemplo, o tempo entre o diagnóstico e o tratamento de doenças.

A telemedicina representa uma nova etapa para a medicina digital ao moldar práticas sociais e médicas, além de romper barreiras geográficas, proporcionando comodidade e altas taxas de resolutividade. De olho nesse contexto, a TopMed tem contribuído para a formação de futuros médicos dispostos a considerar essa realidade mais uma oportunidade para o exercício da medicina.

Em julho do ano passado, a empresa assinou convênio com a Universidade do Sul de Santa Catarina (UniSul) para oferecer o programa de estágio Clínica Médica: Modelo de Atendimento em Telemedicina, que poderá ser realizado por alunos do 12º período do curso.

Números e atuação: Segundo o portal Saúde Digital Brasil, entre 2020 e 2021, mais de 7,5 milhões de atendimentos foram realizados via telemedicina no Brasil. Somente nos últimos três anos, a TopMed realizou cerca de 5 milhões de atendimentos em suas plataformas, com taxa de 95% de resolutividade. O índice representa um crescimento de 120% em relação ao triênio anterior. Por meio de plataformas digitais com tecnologia exclusiva, o paciente encontra profissionais de saúde de diferentes áreas e especialidades médicas prontos para prestar um atendimento rápido e assertivo. A solução conta, por exemplo, com enfermeiros, médicos, psicólogos, nutricionistas, além de uma equipe multidisciplinar composta por assistente social, advogados e economistas.

Soluções: A marca oferece atualmente mais de 20 soluções em saúde digital, todas elas desenvolvidas com foco na experiência do usuário e em fazer a diferença nas organizações e municípios que as utilizam. Direciona seu conhecimento técnico e a alta tecnologia própria a duas principais verticais: A B2G (Business to Governement), que dispõe de diferentes e adaptáveis soluções aos governos para ampliar o acesso e a assistência à saúde no SUS.

As outras verticais de atuação são a B2B e a B2B2C (soluções a organizações e negociações entre empresas visando o cliente final, respectivamente). Nessas áreas, a TopMed opera com produtos moduláveis e personalizados para empresas em geral, operadoras e gestoras de saúde, clínicas, hospitais, fintechs, empresas de cartões e de benefícios, por exemplo.

Veja também