No primeiro ano de pandemia, confiança na Ciência cresce no Brasil, segundo pesquisa da 3M

De jaqueline

Pesquisa explora atitudes em relação à ciência, avaliando como as pessoas pensam e se sentem sobre o tema e seu impacto em suas vidas

Em sua quinta edição, o Índice Anual do Estado da Ciência (State of Science Index – SOSI), pesquisa global realizada pela 3M, revela que a confiança dos brasileiros na ciência e nos cientistas obteve um aumento significativo (de 87% na pesquisa pré-pandemia para 91%) durante o primeiro ano de pandemia no país.

O levantamento realizado pela Ipsos em 17 países, incluindo o Brasil, tem como tema principal a “Esperança” e aborda quatro pilares-chaves, que foram explorados durante a aplicação da pesquisa. Entre esses pilares estão a Imagem da ciência, Equidade nas áreas de STEM (sigla em inglês para Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática), Sustentabilidade e Responsabilidade Compartilhada. A pesquisa foi realizada de fevereiro a março de 2021 com 1.000 pessoas em cada país.

A pesquisa revela que 92% dos brasileiros (vs 88% da média global) concordam que as vacinas são essenciais para a ciência lidar com os desafios na saúde pública. À medida que as atenções se voltam para elas, os brasileiros contam também com a ciência para ajudar a restaurar suas vidas. Entre as principais atividades que os brasileiros estão esperando realizar ao fim da pandemia são:

• Abraçar as pessoas com segurança: 64%

• Deixar de usar máscaras: 61%

• Ir para eventos culturais: 46%

• Viajar com os amigos e familiares: 43%

No Brasil, as pessoas acreditam que, além da saúde, a ciência pode resolver outras questões como sustentabilidade e lacunas de equidade em STEM. Algumas delas são:

• 93% reconhecem os cientistas como críticos para o nosso bem-estar futuro diante da pandemia (vs. 91% globalmente)

• 65% concordam que os jovens estão mais engajados do que nunca em ciências e questões relacionadas ao assunto (vs. 69% globalmente)

• 78% acreditam que durante a pandemia, cientistas e profissionais médicos estão inspirando uma nova geração a seguir uma carreira baseada na ciência no futuro (vs. 62% globalmente)

• Os pais (85%) e as gerações mais jovens (82% entre os 18-34 anos) são ainda mais propensos a acreditar nisso.

“Na pesquisa deste ano, a esperança foi o principal sentimento pela ciência que identificamos. Os brasileiros estão acreditando no protagonismo da área no país e contando com os cientistas para ajudar a restaurar nossas vidas e recuperar nossa rotina. Nós da 3M, como empresa de ciência e inovação, temos um importante papel de incentivar e apoiar ao tema por meio de iniciativas e programas que fomentamos” diz Paulo Gandolfi, diretor de Inovação, Pesquisa & Desenvolvimento da 3M para a América Latina.

Os brasileiros continuam atentos ao impacto que a ciência tem no mundo

Em sua grande maioria, os brasileiros entrevistados concordam que o mundo precisa de mais pessoas em carreiras relacionadas à STEM. Três a cada cinco brasileiros se sentem mais inspirados a seguir carreiras na área.

A confiança na ciência cresceu significativamente no Brasil após um ano de convivência com uma pandemia – e podemos assumir um paralelo entre a esperança e o aumento da confiança.

• 91% dos brasileiros confiam na ciência hoje – um aumento significativo de 4 pontos percentuais desde a Pesquisa Pré-Pandemia de 2020

• E aqueles que confiam na ciência e nos cientistas estão no mais alto percentual desde o início da SOSI, em 2018.

A alta confiança na ciência em todos os níveis podem estar influenciando os comportamentos dos brasileiros durante a pandemia, em comparação com o restante do mundo:

• Usar máscara em ambientes públicos: 89% (vs. 83% globalmente)

• Lavar as mãos frequentemente: 84% (vs. 78% globalmente)

• Evitar aglomerações: 83% (vs. 79% globalmente)

A pandemia renovou o foco em STEM no Brasil – especialmente entre as gerações mais jovens

• Quase todos os brasileiros concordam que o mundo precisa de mais pessoas buscando carreiras relacionadas às STEM (92% vs. 90% globalmente)

• Devido à pandemia, três em cada cinco estão mais inspirados a seguir uma carreira STEM (56% contra 60% globalmente) – o que salta para 63% entre os Millennials

• 78% acreditam que, durante a pandemia, cientistas e profissionais médicos estão inspirando uma nova geração a seguir uma carreira baseada na ciência no futuro (vs. 62% globalmente)

Além do mais, o protagonismo feminino foi um destaque entre os respondentes brasileiros: 87% acreditam que as mulheres precisam ser mais encorajadas a seguir carreiras relacionadas a ciência, 81% reconhecem que grupos sub-representados muitas vezes não recebem acesso igualitário à educação STEM e, ainda, homens e mulheres concordam que mais precisa ser feito para lidar com as desigualdades de STEM que as mulheres enfrentam.

A pandemia tornou muitos brasileiros mais conscientes no ponto de vista ambiental

Além do aumento das medidas protetivas, os brasileiros estão mais sustentáveis. As principais preocupações relacionadas ao meio ambiente a serem solucionadas pelos cientistas são a COVID-19, o descarte de plásticos nos oceanos e o acesso a energias sustentáveis e renováveis.

• A maioria dos brasileiros sente que a pandemia os tornou mais conscientes do ponto de vista ambiental (82% contra 77% globalmente)

• Eles acreditam que as pessoas devem seguir a ciência para ajudar a tornar o mundo mais sustentável (92% vs. 89% globalmente)

• Há um senso de urgência em torno das mudanças climáticas: uma grande maioria concorda que melhores soluções para mitigar as mudanças climáticas precisam ser postas em prática imediatamente (91%)

Para saber mais sobre a pesquisa, acesse www.3M.com/scienceindex.

Crédito da imagem: Freepik

Veja também