Seis passos que toda organização deve seguir para gerenciar melhor os serviços em nuvem

De jaqueline
Por Marcus Borba*
Na última década, a computação em nuvem se tornou a nova norma para organizações de quase todos os setores. A expansão de serviços em nuvem, um dos segmentos de gastos com TI que mais cresce, continua a transformar as operações, investimentos e gestão dos recursos de TI das empresas. De acordo com uma pesquisa da Flexera, aproximadamente 93% das empresas têm uma estratégia de nuvem múltipla e 87% optam por um ambiente de nuvem híbrida. No entanto, apesar do maior interesse e investimento em nuvem, os entrevistados da Flexera estimaram que 30% dos gastos com nuvem de suas organizações estão sendo em vão.
Tirar o máximo proveito dos recursos em nuvem e da transformação digital é mais do que apenas integrar tecnologias recentes; trata-se de criar uma estrutura de gerenciamento de serviços aprimorada que possa fornecer resultados consistentes e confiáveis a longo prazo. Ainda mais em uma realidade de consolidação do teletrabalho, conforme aponta o estudo Digital Workplace Insights, da Unisys, em que líderes e funcionários latino-americanos concordam que o trabalho remoto é tão ou mais produtivo do que o realizado em escritórios.
À medida que as organizações integram mais serviços em nuvem e provedores terceirizados em suas operações, os CIOs e outros executivos devem desenvolver estratégias formais para colocar os investimentos em nuvem no contexto das decisões de negócios e objetivos operacionais. Eles também precisarão garantir que seus processos de gerenciamento de serviço estejam prontos para a nuvem antes de fazer a transição para um ambiente híbrido ou totalmente em nuvem.
Compartilho seis passos que toda organização deve seguir para garantir que seu gerenciamento de serviços esteja pronto para a nuvem:
Passo 1: Avalie seu ambiente de gerenciamento de serviço de TI
Antes que novas plataformas e serviços em nuvem possam ser integrados com sucesso a um ambiente legado, os líderes de TI devem determinar qual o status atual de suas políticas e práticas de gerenciamento de serviço de TI (ITSM) existentes. Esta etapa é crucial para detectar ineficiências, áreas onde é necessária mais visibilidade e antecipar problemas de conformidade que podem surgir na migração para a nuvem.
Passo 2: Mapear a arquitetura de serviço e os processos de negócios
Depois de avaliar seus ambientes de ITSM atuais, as organizações compreenderão melhor as relações e dependências de seus sistemas legados. Essas conexões ocultas muitas vezes passam despercebidas até que surja um problema, impedindo os líderes de TI de tomar uma posição proativa durante a migração para a nuvem. Por exemplo, mover dados aleatoriamente para armazenamento baseado em nuvem pode impedir que usuários e aplicativos acessem informações importantes, geralmente demonstrando uma falta (ou necessidade) de gerenciamento de mudança organizacional (OCM). É preciso levar em conta também a classificações de dados, mapeamento de dependências e propriedade do banco de dados de gerenciamento de configuração (CMDB).
Passo 3: Selecione os serviços em nuvem que atendam às necessidades de negócios específicas
A natureza altamente competitiva do mercado de serviços em nuvem criou desafios para organizações que buscam usar TI baseada em nuvem para resolver problemas de negócios específicos. Como resultado, as empresas podem investir mais do que o necessário em serviços e recursos que não usarão ativamente ou investir menos em tecnologias essenciais que servem como base para suas iniciativas mais amplas de transformação da nuvem.
Encontrar o equilíbrio certo entre os diferentes provedores de nuvem é fundamental para o sucesso de qualquer migração para a nuvem. De acordo com o Relatório de Estado da Nuvem de 2020 da Flexera, aproximadamente 35% dos gastos com nuvem são desperdiçados devido a aplicativos incompatíveis, gastos excessivos e planejamento de gerenciamento de serviço inadequado. Em vez de priorizar soluções de nuvem específicas, os líderes de negócios devem selecionar parceiros de serviços em nuvem que possam ajudar a resolver desafios específicos e preparar seus principais sistemas de TI para o futuro.
Passo 4: Priorize a integração perfeita com a nuvem
Mudar para a nuvem oferece uma variedade de benefícios para as empresas de hoje, desde custos operacionais mais baixos até maior visibilidade dos fluxos de trabalho essenciais aos negócios. No entanto, a chave para a adoção bem-sucedida da nuvem é a integração entre diferentes ferramentas, aplicativos, processos de negócios e data warehouses, não os próprios serviços de TI. Isso é particularmente importante para organizações que dependem de vários provedores de nuvem diferentes: o Gartner observa que uma estratégia de várias nuvens pode ajudar a reduzir a dependência do fornecedor, mas também pode apresentar uma variedade de complexidades ao processo de migração. Antecipar os requisitos dos agentes de nuvem e implementar estratégias bem definidas de integração e gerenciamento de serviços (SIAM) é fundamental, independentemente de as empresas operarem em ambientes híbridos ou com várias nuvens.
Passo 5: Incorpore a detecção de anomalias de ML e AI
A automação se tornou uma tendência dominante no mercado de serviços em nuvem à medida que mais organizações buscam eliminar (ou simplificar) processos manuais. A detecção avançada de anomalias e AIOps permitem que as organizações respondam às emergências antes que elas aconteçam, reduzindo as interrupções e o tempo de inatividade não planejado. Esses recursos preditivos, considerados em conjunto com a abordagem de valor de serviço ITIL 4, fornecem uma imagem mais holística da entrega de serviços habilitada para TI e mais supervisão dos fluxos de trabalho de gerenciamento de chaves.
Conforme as organizações embarcam em sua jornada de transformação da nuvem, os líderes de TI precisarão considerar como a inteligência artificial, o aprendizado de máquina e a detecção de anomalias podem aprimorar seus recursos de gerenciamento.
Passo 6: Desenvolver um ciclo de vida de gerenciamento de serviço mais automatizado
Mesmo depois de uma organização ter integrado serviços em nuvem, ela ainda precisa gerenciar ativamente seus recursos e cargas de trabalho para permanecer adaptável às mudanças nas tendências de negócios. Os aplicativos e serviços corporativos não são estáticos; eles exigem monitoramento e atualização constantes para fornecer o serviço ininterrupto que os funcionários e clientes esperam. Por isso as organizações devem criar uma estrutura que as ajude a identificar, definir, gerenciar e automatizar seus próprios serviços de TI.
O desenvolvimento de um ciclo de vida de gerenciamento digital personalizado pode dar às empresas uma vantagem competitiva e ajudar a identificar ineficiências ocultas que afetam a experiência do usuário. Se a tecnologia é a força vital das organizações modernas, o gerenciamento de serviços é o tecido conectivo que mantém tudo unido.
Crédito da imagem: Freepik

Veja também