Dengue: número de contaminações alcança níveis históricos

De jaqueline

SP, MG e DF estão entre as regiões com maiores índices; entende os sintomas e como evitar a doença

Com registro de mais de 1,6 mil óbitos por dengue no Brasil, os primeiros quatro meses do ano atingiram o maior número deste século. É o que aponta o levantamento epidemiológico do Ministério da Saúde divulgado no último dia 23. Segundo dados apresentados, o Brasil superou a marca de 223 mil novas infecçõesapenas entre os dias 19 e 22 de abril.

A dengue, doença transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, afeta a maioria dos estados brasileiros, com índices preocupantes especialmente no Distrito Federal e nos Estados de Minas Gerais e São Paulo, sendo este último o com maior número de mortes.

“Durante o período de 6 de fevereiro a 23 de abril de 2024, o CEJAM notificou, nas Unidades dos Distritos Administrativos de Capão Redondo e do Jardim Ângela, que estão sob sua gestão, cerca de 38,5 mil casos suspeitos de dengue, sendo 11.621 com resultados positivos”, confirma o supervisor técnico do setor de Vigilância Epidemiológica do CEJAM – Centro de Estudos e Pesquisas “Dr. João Amorim”, Dion Carvalho.

Vale frisar que cerca de 50% dos casos de dengue são assintomáticos ou oligossintomáticos, ou seja, apresentam sintomas mais leves. No entanto, a doença pode evoluir apresentando sintomas intensos e, muitas vezes, incapacitantes durante o seu ciclo de desenvolvimento no organismo.

A infectologista Dra. Rebecca Saad, coordenadora do SCIH (Serviço de Controle de Infecção Hospitalar) do CEJAM, alerta para os principais sinais da presença do vírus no corpo, como febre alta, dor de cabeça, dor atrás dos olhos, perda de apetite, cansaço e manchas vermelhas pelo corpo.

A especialista destaca também que, em casos mais graves, o indivíduo poderá sofrer dores abdominais fortes e contínuas, vômitos persistentes e sangramento de mucosas. “Por isso, ao apresentar algum desses sinais, é essencial buscar ajuda médica imediatamente na unidade de saúde pública mais próxima de sua região”, frisa.

Diante do grande impacto causado pela dengue na população, o Programa Ambientes Verdes e Saudáveis (PAVS), criado pela Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo e incorporado ao CEJAM em 2015, segue realizando projetos que favorecem a educação ambiental, promoção de saúde e prevenção de doenças. Todo o trabalho é feito com o apoio de biólogos e gestores ambientais, que estabelecem parcerias com concessionárias de limpeza, providenciando a higienização de áreas públicas.

Além disso, seguem com ações de conscientização com a população. “Atuamos, especialmente, por meio de visitas domiciliares realizadas pelos Agentes Comunitários de Saúde (ACS), em parceria com os Agentes de Promoção Ambiental (APA). Eles realizam mutirões de casa a casa, com apoio de equipe técnica composta por auxiliares de enfermagem e enfermeiros, além de atividades educativas em escolas e outros espaços comunitários”, ressalta Bruno Saito, gestor ambiental do PAVS.

O objetivo central é colaborar ativamente com a vigilância epidemiológica ambiental, apoiando para a compreensão da limpeza das casas e locais ao redor e eliminando qualquer tipo de água parada.

“Reforçamos a importância de prestar a atenção se há água parada em casa. Geralmente, elas se acumulam em vasos, sacolas plásticas ou qualquer outro recipiente no jardim, laje ou quintal”, explica o profissional.

Dicas para evitar o mosquito

1. Remoção de criadouros de mosquitos em redor da sua casa: A dica clássica que faz toda a diferença, se levada em consideração. O primeiro passo para prevenir a dengue é eliminar os criadouros do mosquito. Para isso, certifique-se de que não haja recipientes, como baldes, garrafas ou pneus velhos, acumulando água em seu quintal.

2. Cubra reservatórios de água, fossas e mantenha as piscinas tratadas: Reservatórios de água abertos, fossas e piscinas não tratadas são lugares perfeitos para a reprodução do mosquito. Por isso, certifique-se de manter esses locais cobertos ou adequadamente tratados.

3. Mantenha as calhas e caleiras limpas e desentupidas: Calhas entupidas podem acumular água parada, tornando-se um criadouro ideal para os mosquitos. Assim, o profissional orienta que a limpeza seja feita regularmente para evitar esse problema.

4. Vire para baixo recipientes ou pequenos objetos que possam acumular água ou remova-os se não forem necessários: Mesmo pequenos objetos, como tampas de garrafas e pratos, podem acumular água e se tornarem criadouros. O ideal é virá-los para baixo ou eliminá-los, se não forem necessários.

5. Coloque areia fina nos pratos de vasos ou jarras, ou retire-os para evitar a acumulação de água: Outra dica clássica, mas essencial. Vasos e jarras de flores podem conter água parada. Por isso, coloque sempre uma camada de areia fina no fundo dos pratos ou, se possível, retire-os quando não estiverem em uso.

6. Mude a água dos vasos e jarras de flores uma vez por semana: Se você tiver vasos de plantas em sua casa, não esqueça de trocar a água pelo menos uma vez por semana. Isso evitará que o mosquito deposite seus ovos na água parada.

7. Mantenha a relva curta: Sim, os mosquitos podem se esconder na vegetação alta. Por isso, manter a grama do seu jardim curta pode ajudar a reduzir essas chances.

Como dica extra, Bruno ressalta ainda que muitas pessoas tendem a esquecer de realizar a manutenção da caixa d’água, que também pode ser foco do mosquito. “A nossa caixa de água merece toda a atenção. Ela deve ser limpa periodicamente e sua tampa deve sempre estar bem ajustada. Essa prática faz toda a diferença, evitando que o local se torne um criadouro”, finaliza.

Sobre o CEJAM

O CEJAM – Centro de Estudos e Pesquisas “Dr. João Amorim” é uma entidade filantrópica e sem fins lucrativos. Fundada em 1991, a Instituição atua em parceria com prefeituras locais, nas regiões onde atua, ou com o Governo do Estado, no gerenciamento de serviços e programas de saúde nos municípios de São Paulo, Rio de Janeiro, Mogi das Cruzes, Itu, Campinas, Carapicuíba, Franco da Rocha, Guarulhos, Santos, São Roque, Francisco Morato, Ferraz de Vasconcelos, Pariquera-Açu e Itapevi.

Com a missão de ser instrumento transformador da vida das pessoas por meio de ações de promoção, prevenção e assistência à saúde, o CEJAM é considerado uma Instituição de excelência no apoio ao Sistema Único de Saúde (SUS). O seu nome é uma homenagem ao Dr. João Amorim, médico obstetra e um dos fundadores da Instituição.

No ano de 2024, a organização lança a campanha “366 Novos Dias de Cuidado, Amor e Esperança: Transformando Vidas e Construindo um Futuro Sustentável”, reforçando seu compromisso com o bem-estar social, a preservação do meio ambiente e os princípios de ESG (Ambiental, Social e Governança).

Siga o CEJAM nas redes sociais (@cejamoficial) e acompanhe os conteúdos divulgados no site da instituição.

Veja também