Impactos das mudanças climáticas na saúde serão debatidos em evento sobre doenças negligenciadas na Fiocruz

De jaqueline

Encontro acontece no próximo dia 28 e é promovido pela DNDi, organização internacional que desenvolveu 12 tratamentos para doenças como malária, leishmaniose e Chagas

Quais os desafios relacionados às doenças negligenciadas ainda mais diante das alterações climáticas, favoráveis à expansão de vetores de enfermidades como a dengue? Essa é uma das questões que nortearão os debates do evento 20 anos da DNDi: Soluções sustentáveis para desenvolver a melhor ciência para populações ainda negligenciadas, que acontece no dia 28 de novembro, na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro. Promovido pela organização internacional Iniciativa Medicamentos para Doenças Negligenciadas (DNDi) e pelas entidades que a fundaram, Fiocruz e Médicos Sem Fronteiras (MSF), o evento traz luz para um tema que vem preocupando especialistas já que as doenças negligenciadas afetam mais de 1,7 bilhão de pessoas no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

O evento marca os 20 anos da DNDi e vai reunir especialistas internacionais, laboratórios farmacêuticos, formuladores de políticas públicas e organizações da sociedade civil, atores fundamentais no campo de pesquisa e desenvolvimento (P&D) para doenças negligenciadas. Entre os tópicos que serão abordados, estão ainda os avanços feitos pela DNDi e seus parceiros desde a fundação da organização, tanto na área de desenvolvimento de tratamentos quanto no acesso a medicamentos. Em duas décadas a DNDi – e parceiros – entregou 12 tratamentos para seis doenças negligenciadas.

A presença da ministra da Saúde, Nísia Trindade, é esperada. Além dela, participam do encontro Michel Lotrowska, presidente da DNDi América Latina; Sergio Sosa-Estani, diretor da DNDi América Latina; Mario Moreira, presidente da Fiocruz; Christos Christou, presidente internacional da MSF; John Reeder, diretor do Programa Especial de Pesquisa e Treinamento em Doenças Tropicais (TDR) da OMS; Jorge Bermudez, pesquisador sênior e conselheiro da Fiocruz, entre outros especialistas nacionais e estrangeiros. A inscrição deve ser feita no site da DNDi.

Segundo a OMS, há cerca de 20 doenças negligenciadas, entre as quais leishmaniose, dengue, Chagas e hepatite C, que estão fora do clássico sistema de P&D de medicamentos ou recebem pouco investimento para inovação e descoberta de terapias mais eficazes. Por causa disso, os tratamentos, quando disponíveis, causam fortes efeitos colaterais, têm eficácia limitada e são longos.

Sobre a DNDi

A DNDi foi criada quando a MSF destinou parte do dinheiro recebido com o Prêmio Nobel da Paz para fundá-la, em 2003, em parceria com o Conselho Indiano de Pesquisa Médica (ICMR), a Fiocruz, o Instituto de Pesquisa Médica do Quênia (KEMRI), o Ministério da Saúde da Malásia e o Instituto Pasteur da França. O Programa Especial de Pesquisa e Treinamento em Doenças Tropicais da OMS trabalha como um observador permanente.

A DNDi descobre, desenvolve e disponibiliza tratamentos seguros, eficazes e acessíveis para populações negligenciadas. Usando o poder da inovação, da ciência aberta, de parcerias e de práticas de advocacy, busca soluções para a falta de medicamentos contra doenças que ameaçam a vida de pessoas em situação de vulnerabilidade. Entre os avanços conquistados desde 2003, estão uma nova apresentação pediátrica do benznidazol para doença de Chagas, dois antimaláricos em dose fixa e uma terapia combinada para a doença do sono.


20 anos da DNDi: Soluções sustentáveis para desenvolver a melhor ciência para populações ainda negligenciadas

Data: 28 de novembro de 2023

Horário: 8h às 17h10

Local: Auditório Bio-Manguinhos – Prédio Napa – Avenida Brasil, 4365

Programação

8h-9h – Credenciamento

9h-10h – Cerimônia de abertura

10h-11h – Sessão 1: 20 Anos de conquistas e desafios em inovação e acesso à saúde

11h-11h30 – Coffee-break

11h30-12h40 – Sessão 2: Desafios atuais e futuros da inovação e do acesso à tratamentos para populações negligenciadas

12h45-14h15 – Almoço

14h15-15h30 – Sessão 3: Sustentabilidade financeira da P&D de tratamentos para doenças negligenciadas.

15h30-16h – Coffee-break

16h00-17h – Sessão 4: Transformações emergentes na saúde global: como impactam nossas agendas de inovação?

16h50-17h10 – Sessão 5: Encerramento

Veja também